Thursday, December 24, 2015

Microcefalia: aborto sim.

Enquanto os casos de microcefalia aumentam vergonhosamente no Brasil, já apareceram "juristas" para insistir na proibição do aborto, se o feto for acometido desse mal.

A lei penal brasileira é uma das mais repressoras, semelhante às das mais brutais teocracias, quanto ao aborto:  só permite se "não houver outro meio" de salvar a vida da gestante ou se a gravidez resultar de estupro.

O Congresso Nacional, dominado por fanáticos religiosos e chauvinistas ignorantes, defende restrições maiores ainda ao direito de aborto.

Quanto à gravidez de fetos anencefálicos, foi necessário o Supremo Tribunal Federal se pronunciar pela legalidade do aborto nesses casos, na ADPF 54.

A microcefalia é uma doença incurável que provoca deficiência física e mental profunda no seu portador, tornando-o inteiramente dependente de cuidados de outras pessoas pela vida inteira.

Saber-se grávida de um feto com microcefalia é saber-se grávida de uma criança condenada a nunca ter saúde e autonomia.  A trazer ônus emocionais, financeiros, limitações à liberdade de estudar, viajar, ter sucesso profissional, etc.  Tudo isso, perfeitamente evitável, se a ciência for utilizada em favor da mãe e da família:  se a mulher puder escolher se aborta ou não.