Sunday, March 05, 2017

Triste Berçário

Juiz de execuções penais no AM constatou, quando da grande rebelião em janeiro: superlotacao  carcerária é o maior problema nas prisões.  Por que o número de vagas nunca chega no Juiz de execuções penais no AM constata:  superlotação carcerária é o maior problema nas prisões.  Por que o número de vagas nunca chega no Brasil? Porque este país é um berçário de marginais. As favelas sobretudo. 4,5 filhos por mulher. E defender controle da natalidade dos pobres é heresia. Pois EU DEFENDO.? Porque este país é um berçário de marginais. As favelas sobretudo. 4,5 filhos por mulher. E defender controle da natalidade dos pobres é heresia. Pois EU DEFENDO.

Pode-se promovê-lo  respeitando a decisão livre da pessoa, desde que capaz. O Estado e a sociedade devem facilitar e incentivar os pobres a terem poucos filhos. Ao contrário do que acontece hoje, eles estão abandonados ao estado de natureza, a lei do planejamento familiar impõe obstáculos, o governo dificulta ao máximo, a direita religiosa e a esquerda vociferam contra isso.

Incentivar e facilitar a diminuição do número de filhos de pobres é promover vida digna e planejada para as mulheres e as crianças O laisser faire, situação atual, só tem promovido o aumento da pobreza e da marginalidade.  Como um casal favelado cria filhos? Mal!  Sem saneamento básico, exposto ao crime que manda na "comunidade", por mais éticos e trabalhadores que sejam os pais. Mas e se for uma mulher sozinha com duas crianças, com baixa qualificação, sem emprego certo?  Ah, ela precisa de creche!  Tá. A creche, se houver, tem horários.  O trabalho que ela tiver, se e quando tiver, não vai tirá-la daquele lugar medonho, ainda mais tendo crianças.  Nenhum orçamento público jamais fará frente às necessidades de uma população necessitada cada vez maior.  Saude, educação e segurança públicas custam muito dinheiro.

A pobreza segrega. O aumento da pobreza segrega mais ainda.  Miserável, favelado e marginal tem que ser incentivados a não tê-los e não ter mais do que já têm.  Incentivar não é coagir nem forçar.  Como eu disse, defender esse ponto de vista, no Brasil, é opor-se a um posicionamento político tido como inquestionável.

Por fim, pense numa criança.  Num recém-nascido de 10 dias.  Ele é tão pequenino e belo.  Tão delicado.  Esse ser enternece seu coração?  Agora pense que esse ser tão pequenino só tem as fraldas com que saiu do hospital, e um trapo que já limpou o chão ele vai usar.  À noite, seu sono infantil será arrebentado por tiros de fuzil.  O barraco não tem saneamento básico, o que o expõe a infecção intestinal precoce.  Ele crescerá vendo sua mãe apanhar do seu pai, ou de outro que o substitua. Ele também vai apanhar bastante e não se alimentará todos os dias.

Pense nisso.

No comments: