Monday, May 07, 2007

Batismo de Sangue

Recomendo o filme, apesar de repisar tema recorrente do cinema brasileiro.
Num tempo em que o sentimento de insegurança domina as mentes e os corações, reavivando aspirações antidemocráticas e dando força a vozes autoritárias e anti-liberais, a história de Frei Tito merece ser conhecida.
A ditadura militar no Brasil, ao invés de promover a liberdade, acabou por suprimi-la.
Agentes da repressão aos movimentos de oposição e resistência lançaram mão da tortura e do assassinato.
Ao contrário do que se passou no Brasil, no início dos anos 70, militares portugueses, fiéis ao direito de liberdade do povo, promoveram a Revolução dos Cravos.
Como terminei o segundo grau em 1986, portanto antes da Constituição de 1988, nas escolas, nem uma palavra sobre a Revolução dos Cravos. Estudávamos Literatura Portuguesa, das cantigas medievais até os primeiros modernistas, mas, em História Geral, nada de Revolução dos Cravos. O fato histórico era apenas mencionado, quando era, sem nenhum aprofundamento.
Conheci o episódio quando assisti a um filme de Maria de Medeiros, há anos atrás. Infelizmente, não me lembro do nome do filme, que achei ótimo!
É com pesar que vejo, hoje, o Poder Legislativo aprovando o uso de pulseiras por condenados, dentre outras medidas. Logo, vão querer que qualquer suspeito de qualquer atitude que, embora não criminosa, seja "anti-social", "inconveniente", "anormal", "imoral", "subversiva", use as tais pulseiras! Como dizia Brecht, um dia, estragam nosso jardim e não falamos nada; noutro dia, matam o nosso cão, e daí por diante.
O autoritarismo ganha força, inclusive a níveis regionais e locais, com a edição de leis que suprimem expressões da liberdade de manifestação do pensamento do cidadão, de criação, de exposição de idéias de qualquer natureza, por puro capricho dos governantes, apoiados por elites caprichosas, mimadas, intolerantes e que querem mais é que as demais pessoas se lasquem, percam a voz, os direitos, os empregos, os bens.
Por isso, indispensável é conhecermos e lembrarmo-nos, sempre, do que o autoritarismo é capaz: de espancar, matar, enlouquecer, destruir pessoas e famílias, e, na melhor das hipóteses, promover "apenas" a infelicidade do povo.
E, segundo a Declaração de Direitos do Bom Povo da Virgínia, de 1776, base da Constituição Norte-Americana e fonte de inspiração, também, de todas as constituições democráticas brasleiras, todos têm direito ao gozo da vida e da liberdade com os meios de adquieir e de possuir a propriedade e de buscar e obter felicidade e segurança.
Um governo que infelicita seu povo é, destarte, ilegítimo e desumano, jamais aceitável.
Pensemos nisso.